Para que serve o minimalismo?

drops__0011--post.png

Aqui vão algumas situações bem comuns na vida pelas quais você provavelmente já passou:

  • Achar que não tem roupa pra sair e sentir frustração ao se deparar com seu armário
  • Decidir que precisará se mudar e ficar cansado só de pensar no caos que virá pela frente
  • Procurar uma coisa e não fazer ideia de onde ela está
  • Achar algo que você não lembrava que tinha mas que poderia ter sido útil em diversas situações
  • Olhar insatisfeito para a bagunça constante que é sua casa, mas nem saber por onde começar a arrumar ou o que fazer com as coisas sem lugar

Você pode achar que tudo que eu relatei acima é apenas uma questão de organização e aparência, mas bagunça externa reflete e influencia seu interior.

O minimalismo, um movimento que surgiu já no século XX, propondo o uso de poucos elementos fundamentais na arte e influenciou diversas áreas, como design e arquitetura, passou a ser adotado pelas pessoas nos últimos anos também como um estilo de vida, e é aí que ele pode te ajudar. Essa proposta de poucos elementos fundamentais pode ser aplicada na forma como você lida com seus objetos e esse estilo de vida pode te ajudar a otimizar - e muito - o seu dia-a-dia.

Por exemplo, um critério minimalista pra decidir se devemos ou não manter um objeto em nossas vidas é como nos sentimos sobre ele. Se não gostamos dele por algum motivo e só o temos porque "precisamos", valeria reavaliar a real necessidade de manter esse objeto ou ainda o porquê o compramos, pra começo de conversa. Isso pode abrir caminho pra uma grande jornada de auto conhecimento e te fazer entender questões mais profundas sobre si.

Muitas vezes descobrimos que compramos por impulso, como forma de compensação pra vazios interiores, ou para nos encaixar em nosso círculo social, mas isso nos causa efeitos colaterais internos. Enquanto o reflexo exterior disso é uma casa bagunçada e um estilo desencaixado, o reflexo interior é a dificuldade de ser quem, essencialmente, não é.

E esse ciclo de ser quem não é e ter o que não gosta, atrapalha e confunde sua mente, consumindo sua energia, reduzindo sua produtividade e te fazendo desfocar do que é importante e gastar tempo com coisas secundárias. Pense em quanto tempo você já gastou limpando o excesso de coisas que você mantém, comprando novos móveis para guardar coisas, decidindo o que usar, arrumando sua casa, etc. A gente subestima o tempo, a energia e o dinheiro que as coisas nos custam, e o minimalismo nos faz enxergar isso novamente.

Aproveite para analisar pouco a pouco suas coisas e eliminar o que não precisa, não usa ou não gosta. Comece aos poucos. Tire um dia do fim de semana pra cada setor, passando por roupas, sapatos, acessórios, utensílios de cozinha, itens de papelaria, livros, tralhas e o que mais você tiver. Esses objetos podem ser úteis pra outras pessoas e te garanto que se livrar deles será ainda mais útil pra você.


Lembre-se: dizer não pra uma coisa é dizer sim pra muitas outras possibilidades. Nesse caso, te convido a dizer não para o que não te acrescenta e dizer sim para o que você gosta e pra novos planos que você possa ter pro dinheiro, espaço, energia e tempo que essas coisas vão liberar na sua vida.